Dicas

O que é preconceito linguístico?

Mariana Bortoletti   |    |  15 min de leitura
Saiba mais
Saiba mais

 Tags: Dicas

O preconceito linguístico é todo juízo de valor negativo sobre variedades linguísticas presentes no nosso idioma. E mesmo que você não saiba, é um conteúdo que cai todo ano no Enem. 

O conceito de preconceito linguístico começou a ser debatido depois que o livro Preconceito Linguístico: o que é e como fazer, do pesquisador e escrito Marcos Bagno, foi lançado em 1999. 

Na obra, o escritor fala sobre como é comum que seja disseminado o preconceito linguístico em relação à regionalismos, sotaques e diferenças socioculturais. 

Neste artigo, nós vamos explorar o que é o preconceito linguístico, quais são suas causas e consequências, como essa questão cai no Enem e como estruturar uma redação seguindo essa temática. 

Você vai conferir: 

O que é preconceito linguístico, causas e variações linguísticas 
As consequências do preconceito linguístico 
Exemplos de preconceito linguístico 
Como promover o fim do preconceito linguístico 
Como o preconceito linguístico pode cair no Enem e no vestibular 
Conclusão 

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se grátis.

O conceito de preconceito linguístico 

Segundo o professor, linguista e filólogo Marcos Bagno, o maior pesquisador deste campo no país, o preconceito linguístico pode ser classificado como todo juízo de valor negativo às variedades linguísticas de menor prestígio social. 

Isso significa que agir com preconceito linguístico é acreditar que quem não segue a normal culta escrita e falada está “usando o português errado”. 

Esse pré-julgamento costuma agir nas variantes mais informais da língua que acabam estando ligadas a classes sociais menos favorecidas, mas também a regionalidades e sotaques. 

Ainda segundo Bagno, a maior referência literária nacional sobre o assunto, o preconceito linguístico é reforçado por construções sociais ideológicas. 

A língua portuguesa no Brasil 

Ao falar sobre preconceito linguístico no país, é impossível não voltarmos à formação do Brasil enquanto nação e ao português brasileiro enquanto língua. 

Vivemos em um país de grande extensão territorial, que foi formado por povos de várias culturas e linguagens. Viemos de povos indígenas, afrodescendentes, latinos e europeus. 

Tudo isso traz diversidade social, cultural e regional, mas também traz muitas variações linguísticas. 

Por essa razão, muitos estudiosos acreditam ser impossível falarmos sobre uma unidade linguística brasileira. O que existiria é uma língua em comum com suas variações. 

Logo, ditar uma única forma correta de falar português brasileiro esbarra no preconceito linguístico. 

O que é a norma culta e qual a relação com preconceito linguístico? 

A norma culta é considerada a principal variação da língua portuguesa falada no Brasil e a que mais se aproxima da norma padrão, ou seja, da gramática. 

Por si só, a normal culta não tem relação direta com preconceito linguístico. 

Porém, a partir do momento em que ela é utiliza no meio social como a maneira “correta” de falar português, essa relação se estreita. 

A relação entre preconceito linguístico e variação linguística 

A relação entre o preconceito linguístico e a variação linguística se dá no momento em que apontamos uma variação como erro. 

Como dissemos acima, em um país tão diverso quanto o Brasil existem diversas variações linguísticas. Ela se caracteriza como peculiaridades da língua em determinada região. 

Por exemplo, quando utilizamos a palavra “guri”, “moleque” e “garoto” para se referir a meninos. 

Acusar uma variação linguística de erro revela a crença de que regionalismos podem ser hierarquizados. 

Dizer que “macaxeira” está errado e que o correto seria dizer “aipim ou mandioca” significa acreditar que a variação linguística falada no norte e no nordeste do país vale menos do que aquela falada no sul e sudeste.

Ou seja, preconceito linguístico.

preconceito linguistico - pessoas conversando em uma mesa

As causas do preconceito linguístico 

Como exploramos um pouco acima, a principal causa do preconceito linguístico é acreditar que uma variação linguística está mais correta do que a outra. 

Isso, levando em consideração construções sociais que envolvem classe social e diferenças entre regiões e sotaques. 

Em seus estudos, Marcos Bagno apresenta uma desconstrução desse preconceito único em algumas causas. Confira: 

  • Preconceito regional: acontece quando pessoas que vivem em regiões mais desenvolvidas do que outras acreditam serem superiores devido a regionalismos e sotaque. É comum, por exemplo, que pessoas do norte e nordeste sejam vistas como menos cultas pelo sudeste, centro-oeste e sul por conta de seu sotaque e regionalismos. 
  • Preconceito socioeconômico: acontece especialmente quando pessoas que tiveram acesso à educação formal e de qualidade citam a fala e a escrita de pessoas com menos condições socioeconômicas como erros. É comum nesses casos o apontamento de falhas gramaticais e de fala, como “mas” e “mais” ou “usar” e “uzar”. 
  • Preconceito cultural: acontece quando pessoas que frequentam ciclos mais cultos acusam pessoas que frequentam ciclos mais populares de usarem a linguagem de forma errada. É comum vermos esses exemplos de preconceito linguístico em letras de músicas dos gêneros de rap e funk, que são expressões de cultura. 

A linguagem é mutável e a comunicação é o que importa 

É interesse comentar ainda nesta seção onde estamos discutindo o conceito de preconceito linguístico que a língua é mutável. 

Ela sempre vai se adaptar dependendo de influências culturais e tecnológicas. 

Um exemplo é a adoção de palavras de origem inglesa no nosso dia a dia, como “deletar”, que é um aportuguesamento de delete, e “briefing”, utilizada em inglês para se referir a um resumo contendo todas as indicações sobre um trabalho que deve ser realizado. 

Esse mesmo tipo de assimilação poderia ser feito com regionalismos, evitando, assim, pensar em variações como formas erradas de falar o português brasileiro. 

Por fim, um tópico também interessante de trazer, especialmente quando pensamos no preconceito socioeconômico, é que o importante na comunicação é que a mensagem seja passada. 

Mesmo que uma frase falada ou um bilhete contenha “erros”, se você entendeu o que a outra pessoa estava querendo dizer, isso já deveria ser o suficiente. 

As consequências do preconceito linguístico 

Como a principal causa do preconceito linguístico é a crença de que só existe um tipo certo de expressão, pessoas que não se encaixam no padrão são vistas como erradas e podem, por consequência, serem vítimas de preconceito linguístico. 

Algumas das consequências para essas pessoas podem ser: 

  • Desenvolver medo de falar em público e de se expressar, temendo o que os outros pensam; 
  • Ser excluído socialmente porque fala um dialeto diferente ou com sotaque diferente; 
  • Prejuízos à autoestima, já que a pessoa começa a acreditar que ela é errada; 
  • Dificuldade de conseguir um emprego, especialmente se requerer comunicação formal. 

Exemplos de preconceito linguístico 

Para elucidar o que falamos acima, vamos dar aqui alguns exemplos de como acontece o preconceito linguístico. 

Existem dois tipos principais: o preconceito com a pronúncia e com a gramática. 

No primeiro tipo, estão aqueles regionalismos e sotaques que não modificam a grafia das palavras, apenas a pronúncia. 

Por exemplo, como em Minas Gerais e na Bahia, os verbos no gerúndio costumam ser pronunciados sem a letra “d”: pensanu, dizenu, sentinu, etc. 

E também como o “r” pronunciado por quem mora no Rio de Janeiro costuma soar chiado, e o “r” do interior dos estados costuma soar enrolado. 

Já o segundo tipo se refere à gramática, quando existem erros de concordância ou grafia. Por exemplo: “menas”, “nós vai”, “os livro”, etc. 

Esses exemplos são desvios da norma culta e do que é considerado correto em termos de língua portuguesa, mas não são justificativas para o preconceito linguístico. 

Especialmente se a comunicação entre as partes se deu. 

Como promover o fim do preconceito linguístico 

O fim do preconceito linguístico depende de muitos fatores, especialmente da reconstrução social de alguns conceitos. 

Porém, dentro de sala de aula, existe uma alternativa para o ensino da norma culta, que é a adequação linguística. 

Nesse conceito, não existe maneira mais certa e mais errada de falar, mas a maneira mais adequada dependendo do contexto em que a pessoa se encontra. 

Por exemplo, em uma situação formal ou solene, o adequado seria o uso da linguagem padrão (a chamada norma culta), já em situações do dia a dia, o ensinado seria com a linguagem coloquial. 

Essa pode ser uma maneira de ainda ensinar a norma padrão de linguagem, porém sem deslegitimar as variações linguísticas existentes no país.

preconceito linguistico - como o tema pode cair no enem e no vestibular

Como o preconceito linguístico pode cair no Enem e nos principais vestibulares 

Questões sobre preconceito linguístico em si não costumam aparecer nas provas do Enem e em vestibulares, mas o que é bastante comum são as questões sobre variações linguísticas. 

Por exemplo, dentro da prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, 10% das questões costumam abordar esse tema. 

Como trabalhar uma redação com o tema “preconceito linguístico” 

Até o presente momento, a redação do Enem ainda não teve o preconceito linguístico como tema. 

Porém, é importante levar essa temática em conta porque ela acaba despertando diversas opiniões diferentes e, até, levantando certa polêmica. 

Por isso, trouxemos abaixo alguns comentários sobre como trabalhar a introdução, desenvolvimento e conclusão de uma redação com esse tema. Confira: 

Introdução 

A introdução da redação é onde a tese da problemática proposta será apresentada. Nela, você fala resumidamente sobre o problema e o que o envolve. 

Então, este é o espaço onde você mostra aos avaliadores que sabe o que é o preconceito linguístico, suas causas e consequências e sua posição na questão. 

Desenvolvimento 

Já o desenvolvimento se refere ao miolo da redação, onde você precisa apresentar os argumentos para a sua proposta de intervenção, a solução para o problema. 

Nesse caso, apresente exemplos de preconceitos linguísticos vistos na mídia (em programas de humor), dados referentes à educação que comprovem o preconceito, etc. 

Trazer as causas histórias é interessante também, assim como as causas socioculturais. 

Nesse ponto, você precisa mostrar o seu repertório sobre o tema de forma coesa e articulada, hierarquizando os argumentos. 

Conclusão 

Então, chegamos à conclusão da redação, onde você apresenta sua proposta de intervenção e onde precisa amarrar todos os argumentos.

Indique por quem, como, por que e de que forma o preconceito linguístico pode ser amenizado ou erradicado. 

Não esqueça de manter a conexão entre os parágrafos e os argumentos, de respeitar os direitos humanos e de cumprir com o restante das diretrizes da redação. 

Conclusão 

Esperamos que, chegando ao final deste conteúdo, tenha ficado claro para você o que é preconceito linguístico, quais são suas causas e consequência e como esse assunto pode aparecer no Enem e no vestibular. 

Leia também: 

Aprenda quando usar onde ou aonde: exemplos e dicas para estudar gramática 

Afinal, o que cai no Enem? 

Como fazer uma boa redação dissertativa 

Temas de redação para treinar: confira dicas 

Inscreva-se no nosso Blog

New call-to-action

O que você achou dessa publicação?

Deixe o seu comentário abaixo.

BUY On HUBSPOT